A autonomia da política

2003 palavras 9 páginas
A formação do Estado Nacional

Durante a Baixa Idade Média (século X-XV), com as alterações socioeconômicas, decorrentes do renascimento do comércio, da urbanização e do surgimento da burguesia, impulsionou a formação do Estado Nacional.
Durante a Idade Moderna, a Monarquia absoluta ou absolutista, era muito comum, segundo a definição clássica, é a forma de governo onde o Monarca ou Rei exerce o poder absoluto, isto é, independente superior ao de outros órgãos do Estado.
O Estado característico da época moderna é o absolutista, porque o poder
Estava concentrado nas mãos do rei e de seus ministros, que monopolizavam a vida política.

Maquiavel (1469-1527)

Maquiavel foi um historiador, poeta, diplomata e músico italiano do
…exibir mais conteúdo…
As idéias de Montesquieu partiram principalmente das teses lançadas por John Locke, ainda que implicitamente, cerca de cem anos antes. A idéia da existência de três poderes, outros sim, não era novidade, remontando a Aristóteles, na obra Política.
No livro 'O Espírito das Leis, Montesquieu, analisa as relações que as leis têm com a natureza e os princípios de cada governo, desenvolvendo a teoria de governo que alimenta as idéias do constitucionalismo, que, em síntese, busca distribuir a autoridade por meios legais, de modo a evitar o arbítrio e a violência. Tais idéias se encaminham para a melhor definição da separação dos poderes, hoje uma das pedras angulares do exercício do poder democrático. Montesquieu admirava a Constituição inglesa, mesmo sem compreendê-la completamente, e descreveu cuidadosamente a separação dos poderes em Executivo, Judiciário e Legislativo, trabalho que influenciou os elaboradores da Constituição dos Estados Unidos. O Executivo seria exercido por um rei, com direito de veto sobre as decisões do parlamento. O poder legislativo, convocado pelo executivo, deveria ser separado em duas casas: o corpo dos comuns, composto pelos representantes do povo, e o corpo dos nobres, formado por nobres, hereditário e com a faculdade de impedir (vetar) as decisões do corpo dos comuns. Essas duas casas teriam assembléias e deliberações separadas, assim como interesses e opiniões

Relacionados

  • Resenha dos textos: universidade brasileira: visão histórica e papel e a perda da identidade e da autonomia da universidade brasileira no contexto do neoliberalismo.
    928 palavras | 4 páginas
  • Cras
    1445 palavras | 6 páginas
  • Federalismo norte americano e brasileiro
    4641 palavras | 19 páginas
  • Resenha livro "Política externa brasileira (1889-2002)”, Leticia Pinheiro.
    2160 palavras | 9 páginas
  • A influência do processo de globalização nas políticas neoliberais e no crescimento e da economia dos países desenvolvidos e subdesenvolvidos
    987 palavras | 4 páginas
  • Resenha: rocha, carlos v. neoinstitucionalismo como modelo de análise para as políticas públicas. civitas, vol. 5, n. 1, p. 11-28
    1309 palavras | 6 páginas
  • Resenha - o que é universidade - wanderley, luiz eduardo w.
    2965 palavras | 12 páginas
  • Av2 - Ética, Política e Sociedade
    1626 palavras | 7 páginas
  • direitos humanos
    4400 palavras | 18 páginas
  • Análise positiva e Normativa
    846 palavras | 4 páginas