A entrevista familiar diagnóstica. Importância da sua inclusão no Psicodiagnóstico de Crianças

853 palavras 4 páginas
Fichamento: A entrevista familiar diagnóstica. Importância da sua inclusão no Psicodiagnóstico de Crianças.

“O sintoma da criança é o emergente de um sistema intrapsíquico que está, por sua vez, inserido no esquema familiar também doente, com a sua própria economia e dinâmica.”
“Uma criança psicótica é a depositária da loucura de todo o grupo familiar, que permitirá que ela se recupere ou não, dependendo de até que ponto cada um dos membros da família estiver disposto a assumir o grau de doença pelo qual é responsável.”
“As hipóteses originadas nas entrevistas com o casal e naquela com o(a) filho(a) (ou seja, aquilo que a sua hora de jogo e os testes indicam devem ser consideradas provisórias até serem comparadas com as que apareceram na entrevista familiar.”
“Quanto mais grave for a hipótese diagnóstica, mais necessária será a entrevista familiar, por exemplo, nos casos de psicose, quadros boderline, perversão psicopatias ou hipocondrias graves. Quando há suspeita de uma psicose simbiótica ou, pelo menos, de uma simbiose não resolvida é conveniente incluir também uma entrevista com o binômio em questão.”
“Outro motivo importante para realizar uma entrevista familiar é que ela propicia condutas observáveis para os pais, a criança e o profissional que podem ser tomadas como ponto de referência na devolução do diagnóstico. Em muitos casos o conflito é evidente somente para o profissional, sempre que houver confirmação das suas hipóteses no material clínico.”
A

Relacionados

  • O processo psicodiagnostico e as técnicas projetivas
    11623 palavras | 47 páginas
  • Recursos avaliativos no transtorno de conduta infantil
    7428 palavras | 30 páginas
  • A intervenção do psicologo em contextos de educação
    7998 palavras | 32 páginas
  • Estagio de psicopedagogia clinico e institucional
    6295 palavras | 26 páginas