A historia de beleza. Dos primórdios aos dias de hoje

4648 palavras 19 páginas
Pré História
Nos primórdios da civilização, a humanidade não conhecia a vaidade. Sujos, desgrenhados e pouco sociáveis, se preocupavam mais com a sobrevivência do que com qualquer coisa.
Os primeiros sinais de vaidade começaram quando o homem passou a se reunir em grupos e se fixou na terra, surgindo à diferenciação hierárquica. Os chefes, em geral os mais fortes do grupo, enfeitavam-se com as garras e dentes dos animais ferozes que caçavam. Surgiram também as primeiras "pinturas de guerra" que dariam mais força ao guerreiro, além de "assustarem" o adversário. Usavam extratos de plantas e de animais além de misturas de terras e pedras.
Ainda hoje, povos primitivos da África e Austrália e índios brasileiros utilizam essas pinturas.

Idade Antiga
Babilônia: Homens e mulheres da antiga Babilônia se pintavam de maneira exagerada. Utilizavam produtos com carvão, terracota, hena e resinas naturais.
Egito: Homens e mulheres pintavam o rosto por acreditarem na relação entre espiritualidade e aparência. A maquiagem se tornou parte da higiene diária, alcançando um requinte surpreendente.
Os olhos tinham o maior destaque: eram delineados e aumentados com Kohl (uma pasta feita a partir da mistura de gordura animal com galena triturada). Usada por homens e mulheres, o Kohl servia para proteger os olhos da luminosidade do sol, das tempestades de areia e de um inseto que transmitia cegueira. As pálpebras recebiam toques de índigo e sobre elas se esfumavam uma sombra em pó,

Relacionados

  • estetica
    899 palavras | 4 páginas
  • Ginástica artistica
    1254 palavras | 5 páginas
  • O que é Arquitetura
    1714 palavras | 7 páginas
  • Analise de macro e micro ambiente cosméticos
    3460 palavras | 14 páginas
  • ardosia
    1401 palavras | 6 páginas
  • Gestão orientada para o desenvolvimento
    2503 palavras | 11 páginas
  • Filosofia e dimensões históricas da educação física
    5714 palavras | 23 páginas
  • VULCÕES
    950 palavras | 4 páginas
  • Resenha Cr Tica Do Livro As Veias Abertas Da America Latina Rafael
    1328 palavras | 6 páginas