Anarquia Ordenada e Reflexões sobre a Filsofia de Godwin

3023 palavras 13 páginas
1

ANARQUIA ORDENADA E REFLEXÕES SOBRE A ANARQUIA INDIVIDUALISTA
DE GODWIN

Jhonatan A. S. Gonçalves1

RESUMO

Este artigo tem por objetivo esclarecer e explanar a respeito das teses que se referem a um anarquismo ordenado abordando também, em linhas gerais, os conceitos e pensamentos de Godwin, notando-se em sua obra há uma visão individualista de anarquismo, que salienta a ascensão do individuo que está em um sistema fechado a uma total liberdade ética, politica e social, sendo que essa ascensão é subjetiva e tem ênfase na autonomia do individuo. No anarquismo ordenado, que tem suas bases com o autor James Buchanan em sua obra Os
Limites da Liberdade2 e que foi abordada na tese de doutorado de Heraldo E. M.
Montarroyos, mostrando que o núcleo da concepção desse autor, Buchanan, tem como fundamento ontológico a liberdade do individuo, considerando-o uma entidade livre, auto-interessada e racional, sem esquecer que esse indivíduo também esta ligado a uma economia e, portanto, a um mercado. E nesse ponto de vista não se pode esquecer que esse Ser tem consigo relações sociais, politicas e econômicas que o prendem a um sistema controlador e coeso, muitas vezes completamente exterior ao sujeito, não havendo possibilidades dele alcançar os verdadeiros fundamentos da democracia, que se tornar quase uma peça mecânica inalcançada e inalterada que não está nunca ao alcance do cidadão. Havendo então a necessidade de encontrar um meio termo entre a ordem, fixa

Relacionados

  • RESENHA Reflexões sobre a atenção básica e a estratégia de saúde da família
    1839 palavras | 8 páginas
  • Reflexões sobre currículo e identidade
    691 palavras | 3 páginas
  • A coruja de minerva: reflexões sobre a teoria na prática
    1058 palavras | 5 páginas
  • Serviço Social, Saúde e Questões Contemporâneas: Reflexões Críticas Sobre a Prática Profissional.
    942 palavras | 4 páginas
  • O DOIS E SEU MÚLTIPLO: REFLEXÕES SOBRE O PERSPECTIVISMO EM UMA COSMOLOGIA TUPI
    2074 palavras | 9 páginas
  • Por que os alunos (não) aprendem História? Reflexões sobre ensino, aprendizagem e formação de professores de História.
    441 palavras | 2 páginas