CARVALHO, José Murilo de. Cap. 4 – “Cidadãos ativos: a revolta da vacina”. In: Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987

1411 palavras 6 páginas
Resenha: CARVALHO, José Murilo de. Cap. 4 – “Cidadãos ativos: a revolta da vacina”. In: Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
Luciana Souza Mendes da Rocha

O livro é apresentado pelo autor com uma clareza de escrita tornando-o de fácil entendimento. A proposta do autor é contextualizar o leitor com os acontecimentos que anteriores a Revolta da Vacina, embora ele mencione, em vários trechos, que as fontes pesquisadas exigem cuidados especiais, sendo eles os jornais e revistas da época, depoimentos de testemunha ocular e breve relatórios policiais e dos poucos processos criminais.
José Murilo de Carvalho também descreve comparativos da Revoltas populares no
…exibir mais conteúdo…
Foi quando tudo começou. No dia 10 de novembro de 1904 uma pequena manifestação de estudantes pregava a resistência à vacina. O líder estudantil foi preso a assim iniciou-se a revolta violenta. José Murilo Carvalho, narra detalhadamente os diversos conflitos da revolta, a tomada das ruas do Rio de Janeiro, com ataque e queima de bondes, tomadas de fabricas, delegacias, bem como a sua cada vez mais violenta repressão, inclusive o decreto de Estado de Sítio e a vinda de reforços militares de outros Estados. Nessa parte do texto ele mostra a dificuldade dos historiadores brasileiros em encontrar fontes, pois diferente das revoltas na França, a maioria dos presos não foram processados, só os lideres, muitas vezes elementos da elite, sendo assim ficou difícil à identificação e a ideologia desses revoltosos. As fontes exigiam cuidado especial, na ausência de processo, restam os jornais e revistas da época, esses emitiam opiniões diversas sobre os revoltosos. Mas mostrou, através de tabelas, o perfil dos presos com os boletins dos chefes de policia que no seu entender, por terem uma precisão numérica eram mais “fidedignas”, visto isso aponta que muitos dos presos e mortos eram operários, comerciantes, estudantes, militares, isso destaca que os motivos morais da Revolta, tantas da elite como às classes populares se incomodaram com a ação invasiva do governo, os primeiros lutavam pelos

Relacionados