CASE AIBO

1076 palavras 5 páginas
INTRODUÇÃO

Em meados de 1999 surge Aibo (Artificial Intelligence Robot), o cão robô da Sony, que não só interage com o dono como é capaz de ''amadurecer'' com ele, devido a um software que registra e trata os dados recolhidos pelos seus sensores inseridos no brinquedo, produzindo reações apropriadas; Quanto mais acariciado for, mais alegre fica. Custando a salgada quantia de U$ 2.500 acabou por se tornar uma febre no Japão e nos Estados Unidos naquele mesmo ano, tendo sua primeira tiragem de 5 mil unidades esgotadas em apenas 20 minutos, o que obrigou a Sony a produzir mais 130 mil unidades e comercializá-las, agora também na Europa.
Para aqueles que o orçamento não permitia a aquisição de um Aibo, a Shaper Image lançou o Wee Bot, disponível em versão adulto ou criança e também em família, custando entre 29 e U$ 99. Apesar das funções semelhantes as do Aibo, este não se pareciam com nenhuma criatura que conhecemos.
Em 2005, a Sony em nota oficial (e super discreta) comunicou que a produção do cão robô cessaria até o ano posterior, entretanto o suporte pós-venda continuaria. Em 2006, em sua terceira e última geração, morre Aibo, que agora só é possível ser adquirido através de sites de vendas de artigos usados e/ou segunda mão.

DIAGNÓSTICO

1-De Que modo fattores pessoais poderiam afetar a compra de um Aibo? E de um Wee Bot?

O consumo de um Aibo ou de um Wee Bot, são influenciados por inúmeros motivos, econômicas, que serão

Relacionados