CULTURAS ESCOLARES, CULTURAS DE INFÂNCIA E CULTURAS FAMILIARES: AS SOCIALIZAÇÕES E A ESCOLARIZAÇÃO NO ENTRETECER DESTAS CULTURAS

9577 palavras 39 páginas
Maria Carmen Silveira Barbosa

CULTURAS ESCOLARES,
CULTURAS DE INFÂNCIA E CULTURAS FAMILIARES:
AS SOCIALIZAÇÕES E A ESCOLARIZAÇÃO
NO ENTRETECER DESTAS CULTURAS
MARIA CARMEN SILVEIRA BARBOSA*
RESUMO: Este artigo visa estabelecer a articulação entre os impasses na escolarização das crianças e as contribuições acerca das culturas de infâncias, das culturas familiares, das culturas escolares na atualidade. Propomos verificar as novas dimensões de ser criança e viver a infância neste momento histórico e repensar a socialização escolar a partir do entrecruzamento das culturas escolares, consideradas legítimas, e suas relações com algumas culturas familiares e infantis consideradas, até hoje, ilegítimas pela escola. Conhecer as
…exibir mais conteúdo…

Nos últimos anos, estamos vivendo uma situação onde fica evidente que esta promessa, como havia sido formulada, não se cumpriu.
Agora, as perguntas aos pesquisadores, educadores e formuladores de
1060

Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1059-1083, out. 2007
Disponível em

Maria Carmen Silveira Barbosa

políticas educacionais centram-se na discussão sobre a “qualidade da educação e do ensino” que se está oferecendo nas instituições educativas.
O questionamento inicia com perguntas como: Será possível realizar a promessa republicana? Como oferecer qualidade na educação para todos em uma sociedade com imensas desigualdades sociais? Como desmontar esta situação perversamente paradoxal de “oferecer educação sem proporcioná-la”?
Desde o inicio da modernidade, e até hoje, grande parte da população aprendeu a ler e a escrever não por vontade própria, mas por ter sido obrigada a se alfabetizar, afinal, aprender a ler e a escrever, além de ter sido apontado como uma necessidade para o ingresso no mundo do trabalho, tomou também o lugar de salvação, redenção pessoal e social.
O analfabetismo apenas tornou-se um problema com a industrialização e a urbanização. A escolarização obrigatória, como afirma Enzensberger
(1995, p. 48),
(...) nunca tratou de abrir um caminho para a “cultura escrita” e muito menos de libertar as pessoas para que falassem por si mesmas. O que

Relacionados

  • Autismo na perspectiva de uma educação inclusiva
    7877 palavras | 32 páginas