Defesa Da Ditadura Juri simulado Sociologia

1602 palavras 7 páginas
A crise política se arrastava desde a renúncia de Jânio Quadros em 1961. O vice de Jânio era João Goulart, que assumiu a presidência num clima político adverso. O governo de João Goulart (1961-1964) foi marcado pela abertura às organizações sociais. Estudantes, organizações populares e trabalhadores ganharam espaço, causando a preocupação das classes conservadoras como, por exemplo, os empresários, banqueiros, Igreja Católica, militares e classe média. Todos temiam uma guinada do Brasil para o lado socialista. Vale lembrar, que neste período, o mundo vivia o auge da Guerra Fria.
No dia 13 de março de 1964, João Goulart realiza um grande comício na Central do Brasil (Rio de Janeiro), onde defende as Reformas de Base. Neste plano, Jango
…exibir mais conteúdo…
Vou agora citar um pouco dessas guerrilhas e como elas agiam:
-ALN (Ação Libertadora Nacional):
Estudantes universitários e ex-militantes do PCB formaram a organização mais ativa entre as que atuavam na guerrilha urbana. Suas principais ações incluíram o comando do sequestro do embaixador dos EUA, ao lado do MR-8. Cerca de 250 militantes.
VPR (Vanguarda Popular Revolucionária):
Militares cassados e integrantes da Polop formaram um dos grupos de maior atividade do período. Contrário ao controle do Estado pelo Exército, o capitão desertor Lamarca roubou armas do quartel para usá-las contra a ditadura militar, por um curto período se fundiu com o Nascente Movimento Revolucionário de Palmares Formando assim a VAR-PALMARES. Cerca de 200 Militantes.
-COLINA (Comando de Libertação Nacional):
Pequeno grupo mineiro com ramificações no Rio de Janeiro, era formado por ex-militarese ex-integrantes da Polop. Como meio de obter recursos para viabilizar a guerrilha rural, praticava assaltos a bancos e a trens pagadores. Cerca de 80 Militantes.

-VAR-PALMARES (Vanguarda Armada Revolucionária–Palmares):
Foi responsável pelo assalto mais lucrativo do período: o da casa de Ana Capriglione, conhecida como amante do governador de São Paulo, Adhemar de Barros. Na ação, 2,5 milhões de dólares foram roubados. Cerca de 200 Militantes.
-NVPR (“‘‘Nova”

Relacionados