Economia

3939 palavras 16 páginas
Aula 7

Abordagens da Teoria do Consumidor

Microeconomia
Teoria do Consumidor – Oferta - Equilíbrio
Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP – Sorocaba -SP

Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da teoria do consumidor, nota-se a existência de duas abordagens, segundo as quais uma série de autores procuraram analisar o comportamento do consumidor: a abordagem cardinal e a abordagem ordinal.
1 2

TEORIA CARDINAL
Os economistas Jevons (1854) e Walras (1874), os formuladores da teoria cardinal, acreditavam que a utilidade era uma característica "mensurável" dos bens e serviços, que podia ser medida. Acreditavam que a utilidade era uma qualidade "aditiva", isto é, a satisfação do consumidor era a soma das utilidades obtidas no consumo dos bens e serviços de sua cesta de mercadorias.

TEORIA CARDINAL
Vejamos mais detalhadamente os fundamentos da Teoria Cardinal. Em primeiro lugar, essa teoria supunha que a utilidade poderia ser medida. Em outras palavras uma xícara de café, por exemplo, daria ao consumidor 3 unidades de utilidade, ou 3 utis.

Utilidade: de um bem ou serviço é a sua capacidade de satisfazer as necessidades das pessoas. A utilidade representa o grau de satisfação que os consumidores atribuem aos bens e serviços que podem adquirir no mercado. 3

= 3 UTIS
4

TEORIA CARDINAL

TEORIA CARDINAL
Existem basicamente, duas críticas podem ser feitas à teoria cardinal da utilidade. São elas: 1. A primeira refere-se à mensuração da

Relacionados

  • Economia
    2982 palavras | 12 páginas
  • ECONOMIA
    1041 palavras | 5 páginas
  • Economia
    954 palavras | 4 páginas
  • economia
    1153 palavras | 5 páginas
  • Economia
    1953 palavras | 8 páginas
  • Economia
    1363 palavras | 6 páginas
  • economia
    1860 palavras | 8 páginas
  • Economia
    2499 palavras | 11 páginas
  • Economia
    2038 palavras | 9 páginas
  • economia
    4271 palavras | 18 páginas