Epidemias e medicina no brasil império

2059 palavras 9 páginas
Epidemias e medicina no Brasil Império (1822-1889)
“Ano de mangas, ano de febre amarela”. No Brasil Império, as epidemias eram relacionadas com calor e umidade, e tão frequentes quanto as frutas da época
Por Jaime Benchimol*

mais arquivar texto imprimir e-mail
15/10/2010
Quando os exércitos napoleônicos penetraram em Lisboa, ainda se avistava no horizonte a esquadra que, sob escolta inglesa, transportava o príncipe regente D. João e sua corte para o Rio de Janeiro, onde desembarcaram em 8 de março de 1808. O novo estado luso-brasileiro foi então aparelhado com várias instituições novas: Imprensa Régia, Academia Real Militar, Biblioteca Real etc. Praticada por uma constelação de tipos sociais e raros médicos com formação universitária, a medicina tornou-se instituição à parte, com os cursos de cirurgia e anatomia nos hospitais militares do Rio de Janeiro e de Salvador (1808), que se transformaram, em 1832, nas duas únicas faculdades de medicina que o país teve até o século XX.
Os problemas de saúde do Brasil só então começaram a ser debatidos, nessas instituições e na Sociedade de Medicina e Cirurgia, transformada, no período regencial, na Academia Imperial de Medicina (1835). Os médicos aí encastelados comemoravam a ausência da febre amarela, peste bubônica e cólera, doenças que devastavam a Europa e outras regiões. Isso fortalecia a argumentação dos ‘nativistas’ contra a crença disseminada entre europeus de que os trópicos eram irremediavelmente malsãos,

Relacionados

  • Variola
    4185 palavras | 17 páginas
  • Epidemias de Febre amarela em São Simão
    3623 palavras | 15 páginas
  • historia da enfermagem
    2988 palavras | 12 páginas
  • Resumo de Historia da Enfermagem
    9159 palavras | 37 páginas
  • Biografia de luiz filipe de alencastro
    4536 palavras | 19 páginas
  • Formação da Europa Feudal
    5888 palavras | 24 páginas
  • História da enfermagem
    4424 palavras | 18 páginas
  • Saúde coletiva - história do sus
    3283 palavras | 14 páginas
  • Memoria Da Santa Casa Da Misericordia De Sergipe
    6923 palavras | 28 páginas