Eutanasia e distanasia

5152 palavras 21 páginas
Distanásia: por que prolongar o sofrimento?
Na CH de março, especialista em bioética questiona o uso de procedimentos terapêuticos inúteis em pacientes terminais e defende o emprego de cuidados paliativos, que levem em conta aspectos físicos, psíquicos, sociais e espirituais.
O termo ‘distanásia’, mais utilizado na área da saúde, é ainda pouco conhecido pelo público em geral, ao contrário de seu antônimo, ‘eutanásia’, que a todo momento ganha manchetes e causa debates. Sem dúvida, a eutanásia é muito menos praticada do que a distanásia em nossas instituições de saúde, notadamente nas unidades de terapia intensiva, que podem ser chamadas de catedrais contemporâneas do sofrimento humano.
Afinal, o que é distanásia? Essa palavra, ainda
…exibir mais conteúdo…
No caso dos pacientes sem esperança de recuperação, o uso de recursos tecnológicos caríssimos para prolongar a vida, além de representar um gasto desnecessário, impõe mais sofrimento tanto aos doentes quanto aos familiares. É preciso ter a coragem de reconhecer que, em determinadas situações, chegamos a um limite. Devemos então proporcionar mais conforto e evitar a dor e o sofrimento desnecessários.
O desafio de cuidar
Cultivar a sabedoria de integrar a morte na vida, como algo natural e inerente à própria vida, é indispensável. A morte não é uma doença e não deve ser tratada como tal. Podemos ser curados de uma doença classificada como mortal, mas não de nossa mortalidade e finitude humanas. A condição de existir não é uma patologia! Quando isso é esquecido, cai-se na tecnolatria e na absolutização pura e simples da vida biológica. Nesse contexto, instrumentos de cura e cuidado se transformam em ferramentas de tortura.
Permanece como um grande desafio o cultivo da sabedoria de abraçar e integrar a dimensão da finitude e da mortalidade na vida, bem como oferecer cuidados holísticos no adeus final
Exemplo nesse sentido foi dado pelo papa João Paulo II. Quando foi proposto a ele que voltasse para a UTI do hospital (Clínica Gemelli), o pontífice, percebendo que sua vida chegava ao momento final, recusou e simplesmente pediu:

Relacionados

  • Eutanasia e Distanasia
    3417 palavras | 14 páginas
  • Atitude ética do psicólogo nos casos de eutanasia e distanasia
    2456 palavras | 10 páginas
  • Distanásia
    1428 palavras | 6 páginas
  • Serviço Social-Ética (Eutanásia)
    1957 palavras | 8 páginas
  • Eutanásia, Ortanásia, Distanásia, Mistanásia
    4166 palavras | 17 páginas
  • Eutanásia
    5462 palavras | 22 páginas
  • Slide sobre a eutanásia
    858 palavras | 4 páginas
  • Bioética
    1691 palavras | 7 páginas
  • Conceito de morte e a terminalidade da vida
    931 palavras | 4 páginas
  • Eutanásia e Suícidio
    4326 palavras | 18 páginas