Gregori Warchavchik e a casa modernista.

933 palavras 4 páginas
Biografia:

Gregori Ilych Warchavchik nasceu em Odessa, Ucrânia. Começou sua jornada na arquitetura na Universidade Nacional de Odessa.
Em 1918 se muda para Roma onde ingressa na Regio Istituto Superiore di Belle Arti, onde se forma no ano de 1920 e trabalha com os ex-professores Marcello Piacentini e Vincenzo Fasolo. Muda-se para o Brasil em 1923, contratado pela Companhia Construtora de Santos, dirigida por Roberto Simonsen, onde permanece por três anos e meio como arquiteto assalariado. Em 1925, publica o texto ‘’ Futurismo?’’ no jornal italiano de São Paulo Il Piccollo. Publica outros textos, sobretudo na década de 1920, intervindo no debate arquitetônico local ao defender parâmetros racionais para a arquitetura. Após se casar com
…exibir mais conteúdo…
Volta a trabalhar com projetos no fim dos anos 1930 e obtém o prêmio na categoria prédios de apartamentos no concurso promovido por Prestes Maia na Prefeitura de São Paulo com o Edifício Barão de Limeira, de 1939. Nesse ano participa do concurso para o Paço Municipal de São Paulo, ficando em 2º lugar. Mantém escritório até a década de 1960, projetando edifícios e casas para o mercado imobiliário, sem grandes inserções no debate arquitetônico nacional, agora protagonizado pelos arquitetos cariocas.
Warchavchik morreu aos 76 anos em seu leito, na manhã de 27 de julho de 1972. Foi enterrado no Cemitério Israelita da Vila Mariana.
Deixa ao Brasil uma herança importantíssima, não só composta por artigos teóricos, como também por obras realizadas, que marcaram definitivamente uma nova fase no campo da arquitetura moderna brasileira.

A casa da rua Itápolis:

A casa na rua Itápolis, foi construída sob os "princípios modernistas". Não tinha um cliente específico, a casa foi feita para ser alugada. Mas foi lá que aconteceu, em 1930, a Exposição de uma casa modernista, um evento de grande repercussão na época e que divulgou a produção de vários artistas contemporâneos, como Tarsila do Amaral. A casa, para a época, era bastante racional - por exemplo, era comum construir ante-salas, halls, que

Relacionados

  • Modernismo - casa David Cortelazzi
    1825 palavras | 8 páginas
  • . Pintura Modernista in: Clement Greenberg e o debate crítico.
    1509 palavras | 7 páginas
  • Poetas modernistas: biografia, poema e análise
    941 palavras | 4 páginas
  • Pintores modernistas no brasil
    2996 palavras | 12 páginas
  • Lucio Costa, Gregori Warchavchik e Roberto Burle Marx: síntese entre arquitetura e natureza tropical
    7813 palavras | 32 páginas
  • C&c casa e construção
    2492 palavras | 11 páginas
  • Resenha casa grande e senzala
    1534 palavras | 7 páginas
  • Conjunto Habitacional Pedregulho - "Ícone Modernista"
    2922 palavras | 12 páginas
  • Casa Grande e Senzala, Fichamento capítulo IV
    4328 palavras | 18 páginas