Império do Efêmero

917 palavras 4 páginas
A MODA CONSIDERADA COMO UMA DAS BELAS-ARTES
Com a Alta Costura aparece a organização da moda tal como a conhecemos ainda hoje, pelo menos em suas grandes linhas: renovação sazonal, apresentação de coleções por manequins vivos, e sobretudo uma nova vocação, acompanhada de um novo status social do costureiro. Desde Worth, o costureiro se impôs como um criador cuja missão consiste em elaborar modelos inéditos, em lançar regularmente novas linhas de vestuário que, idealmente, são reveladoras de um talento singular, reconhecível, incomparável. Fim da era tradicional da moda, entrada em sua fase moderna artística, o primeiro que introduz mudanças incessantes de forma, tecidos, de acessórios, que transforma a uniformidade das toaletes a ponto de chocar o gosto do público, que pode revindicar uma “revolução” na moda atribuindo-se o mérito de ter destronado a crinolina. O costureiro tornou-se um artista moderno, aquele cuja lei imperativa é a inovação. É nesse contexto que a moda se identificará cada vez mais com a profusão criativa da Alta Costura: antes de 1930, as grandes casas apresentavam a cada estação coleções ricas de 150 a 300 modelos novos, e nos anos 1950, criavam-se em Paris cerca de 10 mil protótipos por ano.
A distância em relação ao passado é nítida, o costureiro, agora modelista, tornou-se “gênio” artístico moderno. O alfaiate ou a costureira tinham pouca iniciativa, os “moldes” eram imperativos, seus elementos de base eram mais ou menos invariáveis durante um dado

Relacionados

  • Império do Efemero
    2979 palavras | 12 páginas
  • Resumo: O império do Efêmero
    1329 palavras | 6 páginas
  • LIPOVETSKY, Gilles. O Império do Efêmero - A moda e seus destinos nas sociedades modernas.
    1256 palavras | 5 páginas
  • Moda & arte: a moda pode ser considerada uma expressão artística?
    1094 palavras | 5 páginas
  • Função da filosofia
    3449 palavras | 14 páginas
  • O IMPÉRIO ASSÍRIO
    883 palavras | 4 páginas
  • Gilles lipovetsky
    3766 palavras | 16 páginas
  • ECO, Umberto. Idade Média: bárbaros, cristãos e mulçumanos
    1181 palavras | 5 páginas