Kosmos, Arché, Causalidade e Physis

1798 palavras 8 páginas
Cosmo, o significado do termo kosmos para os gregos desse período liga-se diretamente às ideias de ordem, harmonia e mesmo beleza (já que a beleza resulta da harmonia das formas: daí, aliás, o nosso termo “cosmético”). O cosmo é assim o mundo natural, bem como o espaço celeste, enquanto realidade ordenada de acordo com certos princípios racionais. A ideia básica de cosmo é, portanto, a de uma ordenação racional, uma ordem hierárquica, em que certos elementos são mais básicos, o que se constitui de forma determinada, tendo a causalidade como lei fundamental. O cosmo, entendido assim como ordem, opõe-se ao caos, que seria precisamente a falta de ordem, o estado da matéria anterior à sua organização. É importante notar que a ordem do cosmo é uma ordem racional, “razão” significando aí exatamente a existência de princípios e leis que regem, organizam essa realidade. É a racionalidade deste mundo que o torna compreensível, por sua vez, ao entendimento humano. É porque há na concepção grega o pressuposto de uma correspondência entre a razão humana e a racionalidade do real – o cosmo – que este real pode ser compreendido, pode-se fazer ciência, isto é, pode-se tentar explicá-lo teoricamente. Daí se origina o termo “cosmologia”, como explicação dos processos e fenômenos naturais e como teoria geral sobre a natureza e o funcionamento do universo.

O arché é um termo fundamental na linguagem dos filósofos pré-socráticos, dado que é caracterizado pela procura da substância inicial

Relacionados

  • Resumo antropologia filosofica - capitulo i
    1064 palavras | 5 páginas
  • A prova cosmológica da existência de deus em René Descartes: o princípio de causalidade como elemento fundamental
    5338 palavras | 22 páginas
  • Nexo de causalidade e concausalidade
    2681 palavras | 11 páginas
  • Artigo Sexualidade e gênero: um panorama acerca dos estudos científicos sobre os transgêneros no Brasil.
    4700 palavras | 19 páginas
  • TEORIA DA CAUSALIDADE ADEQUADA E IMPUTAÇÃO OBJETIVA
    3031 palavras | 13 páginas
  • A CRÍTICA DE HUME À CAUSALIDADE E SUA INFLUÊNCIA NA “REVOLUÇÃO COPERNICANA” DE KANT
    1432 palavras | 6 páginas
  • A passagem do mito à filosofia
    372 palavras | 2 páginas
  • abdução dedução e indução
    1359 palavras | 6 páginas
  • A origem e a história da filosofia do direito
    2940 palavras | 12 páginas