Memorial do convento resumo

6257 palavras 26 páginas
Português, 12º Ano

Prof. António Alves
“Memorial do Convento”, de José Saramago
RESUMO DA OBRA

Capítulo I
Há dois anos que D. João V está casado com D. Maria Ana
Josefa e até agora ela ainda não engravidou. A rainha reza novenas e, duas vezes por semana, recebe o rei nos seus aposentos. Quando ambos se casaram, o rei dormia com a rainha todos os dias, mas, devido ao cobertor de penas que ela trouxera da Áustria e porque, com o passar do tempo, os odores de ambos faziam com que o cobertor ficasse com um cheiro insuportável, o rei deixou de dormir com a rainha.
Enquanto El-rei monta as miniaturas da Basílica de S. Pedro de
Roma para se distrair e porque gosta, a rainha espera-o para que ele cumpra o seu dever conjugal.
…exibir mais conteúdo…
Porém, D. Maria Ana não podia gozar dessas liberdades, pois, além de ser rainha, agora estava grávida. Assim, tendo ido para a cama cedo, consolou-se em sonhar outra vez com D. Francisco, seu cunhado. Passada a Quaresma, todas as mulheres regressaram para a habitual reclusão das suas casas.

Publicado em http://port12ano.blogspot.com por Prof. António Alves

Pág. 1

Capítulo IV
Baltasar regressa a Lisboa, vindo da guerra, onde perdera a mão esquerda numa batalha perto de Jerez de los
Caballeros (Espanha). Ao voltar a Lisboa, traz consigo os ferros que mandara fazer para substituir a mão que perdera na guerra. No caminho de regresso, Baltasar mata um homem que o tentara assaltar. Na altura, não sabia se ficaria em Lisboa ou se seguiria para Mafra onde estavam os seus pais.
Já em Lisboa, enquanto não se decide, vagueia pelas ruas da capital, onde conhece João Elvas, que também fora soldado, e, com este, passa a noite junto de outros mendigos num telheiro abandonado. Antes de dormirem, todos contaram histórias de assassinatos e mortes que ocorreram na cidade, comparando-as com mortes que alguns presenciaram na guerra.
Capítulo V
D. Maria Ana está de luto pela morte do seu irmão José, imperador da Áustria. Apesar de o rei ter declarado luto, a cidade está alegre, pois vai haver um auto-de-fé. É domingo e os moradores gostam de ver as torturas impostas

Relacionados

  • Resumo do capítulo xiv de memorial do convento
    954 palavras | 4 páginas
  • teste memorial do convento
    2164 palavras | 9 páginas
  • A dimensão simbólica em Memorial do Convento
    1218 palavras | 5 páginas
  • Memorial do Convento
    926 palavras | 4 páginas
  • Ensaio sobre a cegueira
    7110 palavras | 29 páginas
  • Centro histórico de salvador, uma visão sistêmica
    7175 palavras | 29 páginas
  • PROJETO DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E PÂNICO EM UMA RECICLADORA DE TINTAS EM FOZ DO IGUAÇU - PARANÁ
    10088 palavras | 41 páginas
  • Trabalho Hotel
    18417 palavras | 74 páginas
  • Cartas patrimoniais
    17539 palavras | 71 páginas
  • O Brasil caipira, a visão de Darcy Ribeiro
    13367 palavras | 54 páginas