Modernistas

3107 palavras 13 páginas
Aferia 28 de março de 2011
Épura (Ronald de Carvalho)
Geometrias, imaginações destes caminhos da minha terra!
Curvas de trilhas, triângulos de asas, bolas de cor...

Círculos de sombras agachadas entre as árvores, cilindros de troncos embebidos na luz.

Geometrias, imaginações destes caminhos da minha terra!

Melancolicamente, nesta alegria geométrica, pingando bilhas polidas, o leque das bananeiras abana o ar da manhã.

Um pouco sobre Ronald de Carvalho:

Nascido no Rio de Janeiro, em 1893, cidade onde realizou os seus estudos, inclusive os de direito, aí também faleceu em 1935, vítima de um desastre de automóvel, ocupando na ocasião o cargo de Secretário da Presidência da República. Estudou também na Europa
…exibir mais conteúdo…
Em 1969, lançou "O Menino Mágico", seu primeiro romance infanto-juvenil. Em 1975, publicou o romance "Dora Doralina". Dois anos depois, tornou-se a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras.
Traduzida para diversos idiomas, tendo ainda livros adaptadas para o cinema e a televisão, Rachel de Queiros obteve amplo reconhecimento por sua obra. Em 1989, a José Olympio Editora publicou sua "Obra Reunida", em cinco volumes.
Em 1992 escreveu "Memorial de Maria Moura", romance que lhe trouxe diversos prêmios, entre eles o prestigiado Camões, dedicado ao melhor autor do ano em língua portuguesa. Aos 92 anos, dormindo em sua rede, morreu Rachel de Queiroz.

Raquel de Queiróz Sua literatura caracteriza-se, a princípio, pelo caráter regionalista e sociológico, com enfoque psicológico, que tende a se valorizar e a aprofundar-se à proporção que sua obra amadurece. Seu estilo é conciso e descarnado, sua linguagem fluente, seus diálogos vivos e acessíveis, o que resulta numa narrativa dinâmica e enxuta. Canção do Exílio (Murilo Mendes)
“Minha terra tem macieiras das Califórnia onde cantam gaturamos de Veneza.
Os poetas da minha terra são pretos que vivem em torres de ametista, os sargentos do exército são monistas, cubistas, os filósofos são polacos vendendo a prestações.
A gente não pode dormir com os oradores e os pernilongos.
Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.
Eu morro sufocado em terra estrangeira.
Nossas flores são mais

Relacionados

  • Coletânea de Poesias Modernistas
    974 palavras | 4 páginas
  • Análise pós-modernista nos poemas de cecília meireles
    3032 palavras | 13 páginas
  • Poetas modernistas: biografia, poema e análise
    941 palavras | 4 páginas
  • Pintores modernistas no brasil
    2996 palavras | 12 páginas
  • Gregori Warchavchik e a casa modernista.
    933 palavras | 4 páginas
  • Conjunto Habitacional Pedregulho - "Ícone Modernista"
    2922 palavras | 12 páginas
  • Terceiro Tempo Modernista no Brasil
    1120 palavras | 5 páginas
  • Poemas de autores modernistas
    1409 palavras | 6 páginas
  • Segunda fase da arquitetura modernista
    1212 palavras | 5 páginas
  • a primeira gera o modernista brasilera
    553 palavras | 3 páginas