Nação como novidade: da revolução ao liberalismo

930 palavras 4 páginas
Eric Hobsbawn começa discorrendo sobre os vários conceitos sobre nacionalismo, e coloca a nação como uma unidade política, porém qual é o critério para um grupo de pessoas se sentirem pertencentes a uma mesma nação? Ele afirma que a palavra tem um sentido, movendo para a questão da etnicidade, mas no entanto os Estados não eram homogênios, e portanto não poderiam ser simplesmente equalizados com as nações. Então ele busca em outros conceitos, como o do Zedler que afirma que nação significa um número unido de pessoas os quais partilhavam um corpo de costumes, valores e leis. Então ele conclui que a palavra nação não pode ter um significado territorial. Ele fala do sentido moderno e basicamente político, que é um conceito de nação historicamente muito recente. E na era das revoluções se tornaria parte do conceito de nação que esta deveria ser uma unidade indivisível, como em uma frase francesa que falava que era considerada nação um corpo de cidadãos cuja a soberania coletiva os constituía como um Estado concebido como sua expressão política. E a nação sempre incluiria o elemento da cidadania e da escolha ou participação de massa. A equação nação igual a Estado que é igual a povo, e especialmente povo soberano vinculou a nação ao território, pois a estrutura e a definição dos Estados eram agora essencialmente territoriais. Implicava também uma multiplicidade de Estados nações assim constituídos, era uma consequência da autodeterminação popular. Ele também desconstrói o

Relacionados

  • conscientizaçao da importancia da leitura como fonte de conhecimento e participaçao na sociedade
    11915 palavras | 48 páginas
  • O território nacional: a construção do Estado e da Nação
    6453 palavras | 26 páginas
  • A expansão da revolução industrial
    1130 palavras | 5 páginas
  • a construção do estado da nação
    1892 palavras | 8 páginas
  • Como encantar alunos da matrícula ao diploma.
    1787 palavras | 8 páginas
  • Trabalho questionario . keynes: o liberalismo econômico como mito.
    4489 palavras | 18 páginas
  • Paradigmas filosoficos da revoluçao industrial
    2174 palavras | 9 páginas
  • Resumo do texto . Da educação como direito humano aos direitos humanos como princípio educativo
    1281 palavras | 6 páginas
  • Da monarquia absoluta ao iluminismo
    1851 palavras | 8 páginas
  • Da monarquia absoluta ao iluminismo
    2102 palavras | 9 páginas