O filme “nascido em 4 de julho” e as relações internacionais, por gills lopes

960 palavras 4 páginas
O filme “Nascido em 4 de julho” e as Relações Internacionais, por Gills Lopes

Esta postagem traz um resumo do filme “Nascido em 4 de julho” (Born on the Fourth of July), do cineasta Oliver Stone, que conta com Tom Cruise como protagonista. A película é de 1989 e retrata o lado da Guerra do Vietnã que o governo norteamericano tentava/tenta esconder de sua população.

Também é possível encontrar nas Referências Bibliográficas as normas da ABNT que regulamentam resumos e referências de filmes e DVDs.

Pipocas à mão e vamos lá:

NASCIDO em 4 de julho. Direção: Oliver Stone. Intérpretes: Tom Cruise, Kyra Sedgwick e outros. Roteiro: Oliver Stone, Ron Kovic, 1989. 1 DVD (144 min), widescreen, color. Baseado na obra homônima de Ron
…exibir mais conteúdo…
Eduardo Galeano, porém, é mais radical e direto ao afirmar que o fundo e o banco nasceram para negar aos países subdesenvolvidos o direito de proteger suas indústrias nacionais, e para desalentar neles a ação do Estado. Porém, com a chamada derrocada do sistema de Bretton Woods, a instabilidade fez uma vítima importantíssima: os EUA, que se tornou (neste caso, “os Estados Unidos da América” ou “os EUA” quando sujeito direto da ação, fica no plural o artigo definido e no singular o predicado; já que os EUA “é” e não “são” uma federação), ao mesmo tempo, herói e vilão do comércio internacional. Com isso, pode-se também situar esse cenário com o do início da globalização financeira e da sua principal consequência: a instabilidade da moeda. Pois é na instabilidade do Dólar que o governo começa a buscar outras soluções, e a Guerra do Vietnã (vista aqui como um aperfeiçoamento da teoria keynesiana) é uma delas.

O título do filme também é motivo para uma reflexão sobre quem teria realmente nascido em 4 de julho. Apenas Kovik ou toda uma sociedade que, apesar de crescida, ainda não saiu da barriga britânica? O fato de a personagem principal ter nascido nos mesmos dia e mês da Independência Americana não é apenas simbólico, mas realista: havia muito mais em jogo do que a guerra em si e do que um sentimentalismo patriota.

Relacionados