O paradigma perdido a natureza humana

12749 palavras 51 páginas
Página |1

EDGAR MORIN

O PARADIGMA PERDIDO: A NATUREZA HUMANA

4ª edição

PUBLICAÇÕES EUROPA-AMÉRICA

Página |2

PRIMEIRA PARTE

A sutura epistemológica

“Tudo nos incita a pôr termo à visão de uma natureza não humana e de um homem não natural.”
Serge Moscovici

1. A ciência fechada A evidência estéril Todos sabemos que somos animais da classe dos mamíferos, da ordem dos primatas, da família dos hominídeos, do gênero homo, da espécie sapiens, que o nosso corpo é uma máquina com trinta bilhões de células, controlada e procriada por um sistema genético que se constituiu no decurso de uma longa evolução natural de 2 a 3 bilhões de anos, que o cérebro com que pensamos, a boca com que falamos, a mão com que escrevemos, são
…exibir mais conteúdo…
Não comporta um princípio de transformação? Não comporta em si própria a evolução, que conduziu ao homem? Será a natureza humana desprovida de qualidades biológicas?

A casa isolada Poder-se-ia supor que a extensão ao homem dos métodos quantitativos e das formas de objetivação próprias das ciências da natureza fosse romper a insularidade humanista, reintegrando o homem no universo, e que a filosofia do homem sobrenatural fosse um dos últimos fantasmas, uma das últimas resistências opostas à ciência do homem.

Página |4

Na verdade, estabeleceu-se unidade quanto ao método, mas não quanto à teoria. Houve, no entanto, tentativas teóricas para firmar a ciência do homem sobre uma base natural. Nas páginas fulgurantes do manuscrito de 1844, Marx colocava no centro da antropologia não o homem social e cultural, mas o “homem genérico”; longe de opor natureza e homem, Marx afirmava que “a natureza é o objeto imediato da ciência que trata do homem”, visto que “o primeiro objeto do homem - o homem- é natureza”, e enunciava o princípio básico: “As ciências naturais englobarão em seguida a ciência do homem, assim como a ciência do homem englobará as ciências naturais: apenas haverá uma única ciência.” (Segundo a tradução Molitor.) Engels esforçou-se por integrar o homem na “dialética da natureza”. Spencer baseava a explicação sociológica na analogia entre o corpo social e o organismo biológico, e,

Relacionados

  • o caso da geografia
    1726 palavras | 7 páginas
  • o arcaísmo
    2897 palavras | 12 páginas
  • Filosofia politica africana
    7539 palavras | 31 páginas
  • professora
    1428 palavras | 6 páginas
  • Caos e complexidade nas organizações
    4381 palavras | 18 páginas
  • Projeto sobre brincadeiras na hora do recreio
    1405 palavras | 6 páginas
  • Resumo cap 1 - desenvolvimento economico
    1879 palavras | 8 páginas
  • A importância da ecopedagogia para a construção de uma sociedade sustentável
    4804 palavras | 20 páginas
  • Educação, cultura e sociedade
    4365 palavras | 18 páginas