O pensamento exige método, o conhecimento depende dele.

942 palavras 4 páginas
O PENSAMENTO EXIGE MÉTODO, O CONHECIMENTO DEPENDE DELE.

Durante o período clássico séculos V e VI a.C, muitas cidades-Estados da Grécia atingiram o seu mais alto grau de desenvolvimento, e umas das que mais teve destaque foi Atenas.
Atenas neste período atingiu o aprofundamento e a consolidação da democracia grega, que permeava na sua cultura o trabalho escravo, a riqueza dos cidadãos estava baseada na propriedade da terra. Embora tivesse os pequenos proprietários de terras, que constituía a maior parte dos cidadãos, trabalhavam com suas famílias nas terras, e em geral eram auxiliadas por um escravo.
Os escravos que constituíam a maior parte da população eram de fundamental importância para a economia, e ainda por cima eram os
…exibir mais conteúdo…
A busca pelo ser deixou de ser o foco principal das questões filosofias, era agora preciso saber falar para fazer valer seus interesses nas assembleias. A partir daí surgem os oradores chamados de Sofistas. Portadores de uma eloquência incomum procuravam ensinar aos cidadãos coisas que eles almejavam que era cargos públicos e a única coisa que eles faziam era ensinar a persuadir convencendo seu interlocutor em debate, seja pela emoção ou passividade.
Os Sofistas fascinavam aqueles que ouviam suas palestras ensinando como transformar um argumento fraco em um forte e vise – versa. Os que eles realmente

achavam fácil eram convencer de acordo com seus interesses, o que importavam era vencer a qualquer custo. Protágoras foi o primeiro sofista e o mais famoso, era um homem culto e bem sucedido para ele a verdade dependia de cada um, depende como cada coisa aparece para cada um em seu juízo, o que pode ser verdade para um não pode ser verdade para outro.
Sócrates –Não se sabe bem ao certo qual o trabalho de Sócrates já que era amante da filosofia, aprendeu a profissão do pai a de Oleiro. Defendia a idéia de que deve sempre dar uma ênfase na procura daquilo que não sabe, do que transmitir aquilo que não se julga saber, dando ênfase à investigação. Tinha o Hábito de debater e dialogar com as pessoas de sua cidade, ao contrario de seus predecessores gostava de lugares públicos para falar da arte agindo de forma descontaria e

Relacionados

  • Fundamentos filosóficos do pensamento moderno
    1242 palavras | 5 páginas
  • As concepções da verdade -por joão henrique c.santos
    2256 palavras | 10 páginas
  • Clifford, geertz e roy wagner: consonâncias
    2629 palavras | 11 páginas
  • O grupo operativo - enrique j. pichon-rivière
    1532 palavras | 7 páginas
  • O uso de jogos no incentivo a aprendizagem
    5786 palavras | 24 páginas
  • Fabec tcc
    2348 palavras | 10 páginas
  • História do pensamento filosófico
    1281 palavras | 6 páginas
  • Livro a cidade das palavras resumo
    1119 palavras | 5 páginas
  • Senso crítico do dia-a-dia às ciências humanas
    7296 palavras | 30 páginas
  • Alfabetização
    7678 palavras | 31 páginas