PORTO DE SANTOS/ ROTTERDAM

8154 palavras 33 páginas
GRUPO: 2

COMPONENTES:
TEMA: Comparativo e possibilidades de implantação de tecnologias e desenvolvimento entre o porto de Roterdã e os portos brasileiros.
OBJETIVO: O que os portos brasileiros podem aprender com o complexo portuário holandês.
TÍTULO: Complexo portuário de Roterdã: Como a eficiência operacional pode refletir no desenvolvimento comercial dos portos brasileiros?
METODOLOGIA: Pesquisar o funcionamento das operações no porto de Roterdã e fazer comparativo final com o porto de Santos, verificando a possibilidade de inclusão de melhorias diante dos problemas que o nosso porto sofre nos dias atuais.
ABRANGÊNCIA DE DISCIPLINAS:
Direito Internacional - Normas e leis que regem sob o transporte internacional marítimo.
…exibir mais conteúdo…
Com isso, sua produtividade atinge 50.301 toneladas por hora, enquanto Santos registrou a movimentação de 11.247 toneladas por hora. O maior porto brasileiro tem 1.360 funcionários e registrou pouco mais de 100 milhões de toneladas de cargas em 2011. Para o diretor da Antaq, a diferença ocorre por uma série de fatores: menor escala nos portos brasileiros, dificuldades de planejamento e estruturas deficientes de gestão nas Companhias Docas. Segundo ele, o problema não está no modelo da exploração portuária, que é o mesmo visto na maior parte do mundo: a maior parte dos portos é pública e tem operação privada. "Quando visitamos os portos de todo o mundo, a primeira diferença que notamos é a existência de um planejamento para os próximos dez ou 15 anos", disse Brito, durante a audiência que discute a MP 595. Outro contraste são as estruturas de gestão "absolutamente profissionais" na Europa e nos Estados Unidos, mesmo nos portos públicos. Ele acentuou ainda a questão da escala e lembrou que hoje, dos dez maiores terminais de contêineres do planeta, cinco estão localizados na China. "Os chineses, 20 anos atrás, não tinham nenhum porto entre os dez maiores do mundo." O presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, enfatizou a necessidade de ampliar os investimentos em infraestrutura de transportes e disse que a liberação de novos terminais privativos

Relacionados