Philippe pinel e o tratamento mais humano aos doentes mentais

1433 palavras 6 páginas
Philippe Pinel e o tratamento mais humano aos doentes mentais

INTRODUÇÃO:

Na Europa, até pouco antes do fim do século XVIII, as causas da loucura eram vistas sob um modelo mítico-religioso, consideradas provenientes de forças sobrenaturais, como possessão demoníaca ou arte de bruxaria, que estavam fora de controle ao homem. Estas pessoas denominadas loucas circulavam livremente por cidades e campos.

Com as mudanças que estavam ocorrendo no continente europeu, o desenvolvimento da burguesia e a revolução industrial, o alto índice de desocupados como mendigos, ladrões e prostitutas assim como os loucos, tornaram-se incomodos à sociedade da época que buscou como forma de controle social a criação de asilos. Toda essa multiplicidade de desatinados foram confinados nestes lugares, livre das vistas da sociedade, onde tiveram tratamentos horrendos com diversas formas de tortura. (PRANDONI&PADILHA, 2004).

Neste momento, é que a intervenção de Philippe Pinel se fez extremamente efetiva, quando este procurou dar um tratamento mais humano aos pacientes, libertando-os de seus grilhões e ouvindo pacientemente suas queixas, desmistificando a antiga concepção de loucura. Suas observações e contribuições psiopatológicas foram todas registradas em sua maior obra, o Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental, publicado em 1801 e republicado em 1809, o qual credita-se mudanças substanciais na assistência às doenças mentais. A fim de ilustrar tal ato,

Relacionados

  • RESENHA DO LIVRO PSICOSSOMÁTICA DE RUBENS MARCELO VOLICH
    1674 palavras | 7 páginas
  • Análise crítica do filme - o menino selvagem
    2050 palavras | 9 páginas
  • Resenha livro saude mental e atenção psicossocial
    2887 palavras | 12 páginas
  • Praticas de educação inclusiva
    10921 palavras | 44 páginas
  • A importância do lúdico na educação especial
    15749 palavras | 63 páginas
  • Perfil psicológico do criminoso
    15264 palavras | 62 páginas
  • Abordagens sócio-psicológicas da violência e do crime
    18453 palavras | 74 páginas