RESENHA O HOMEM E O MUNDO NATURAL

1346 palavras 6 páginas
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
FACULDADE DE NUTRIÇÃO

ELEMENTOS DA SOCIOLOGIA

Docente:
Discente: Gabriela Cunha

BELÉM
2013

Questionário sobre o texto “O homem e o mundo natural – Thomas Kheith”

1 Do que trata o texto?
O texto aborda, em um primeiro momento, a visão antropocêntrica existente na Inglaterra medieval, fundamentada na interpretação bíblica feita por teólogos e filósofos da época, onde evidenciava a autoridade e superioridade do homem sobre todas as coisas, mostrando também que essa visão não se restringia a Europa Ocidental, pois religiões não cristãs cultivavam mitos dobre a supremacia concedida ao homem para o domínio do mundo natural.
Em um segundo momento, o autor relata o controle que o homem exercia sobre tal mundo, evidenciando o uso e a inferiorização dos animais, das plantas e do seu próprio alimento.
O texto amplia as peculiaridades encontradas no ser humano como a fala, a razão e principalmente a capacidade de escolha, que o tornavam um ser diferenciado. “Só o homem combina ao mesmo tempo, matéria e intelecto”.
Trata também em um ultimomomento, o controle e a preocupação do homem em se refinar e se civilizar com o objetivo principal de se sobrepor a brutalidade animal.
Por fim, mostra distinções reveladas e impostas entre os próprios homens, tornando uma parcela da sociedade (pobres, servos) inferior aos outros, muitas vezes, tão inferiores quanto os animas. (...)“O ideal do

Relacionados

  • Resenha O Mundo Globalizado
    843 palavras | 4 páginas
  • O homem e o lixo
    6337 palavras | 26 páginas
  • O DESTINO DO HOMEM E DO MUNDO
    7234 palavras | 29 páginas
  • THOMAS, Keith. “O predomínio humano”. In: O homem e o mundo natural: Companhia das Letras, 1988. p. 21- 60.
    919 palavras | 4 páginas
  • RESENHA DO LIVRO “E O CÉREBRO CRIOU O HOMEM”
    1343 palavras | 6 páginas
  • RESENHA CRÍTICA SOBRE O DOCUMENTÁRIO “ESCOLARIZANDO O MUNDO – O ÚLTIMO FARDO DO HOMEM BRANCO”
    742 palavras | 4 páginas