Resenha Crítica do texto Aula, de Roland Barthes

332 palavras 2 páginas
Resenha do texto "Aula" de Roland Barthes

O texto "Aula" de Roland Barthes fala do poder que cerca a língua, a linguagem. O autor mostra que a língua pode refletir imposições sociais, assim como, relações de poder estabelecidas. Ela pode ser um objeto de submissão, de alienação dos considerados menos favorecidos intelectualmente. Ele nos coloca como escravos da língua, como verdadeiros prisioneiros da linguagem, uma vez que precisamos dela para abranger nossos pensamentos. Barthes coloca a língua como fascista, mostrando como ela faz parte de uma estrutura de poder a qual todos estão submetidos:

Mas a língua, como desempenho de toda linguagem, não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente: fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer. Assim que ela é proferida, mesmo que na intimidade mais profunda do sujeito, a língua entra a serviço de um poder. (pg. 7)

Porém, ele deixa claro que além de "escravos" dessa linguagem fascista, nós também somos mestres. Podemos usar da língua quando quisermos. No entanto, não pode ser como queremos. Precisamos obedecer as exigências, normas, classes gramaticais da língua.

Barthes discorre também sobre a língua ir além de decodificar signos, ou seja, vai além da semiologia. Segundo ele a semiologia é definida como uma desconstrução da lingüística, uma vez que ela não insere características positivas para a língua e linguagem:

A semiologia seria, desde então, aquele trabalho que recolhe o

Relacionados

  • Resenha Crítica do texto “Linguística e Poética”, de Roman Jakobson
    1024 palavras | 5 páginas
  • Conceito de texto segundo a visão de roland barthes
    995 palavras | 4 páginas
  • RESENHA CRÍTICA DO TEXTO DE Ana Márcia Lutterbach Rodrigues
    838 palavras | 4 páginas
  • Fichamento de A Câmara Clara - Roland Barthes
    2545 palavras | 11 páginas
  • Resenha crítica do texto: A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento.
    922 palavras | 4 páginas
  • Resenha de “a retórica da imagem” de roland barthes
    1854 palavras | 8 páginas