Resenha do livro argumentação contra a morte da arte ferreira gullar

6734 palavras 27 páginas
RESENHA DO LIVRO ARGUMENTAÇÃO CONTRA A MORTE DA ARTE FERREIRA GULLAR

“... Sei que sou as duas coisas mas é muito melhor ser estilingue. Gostaria que as pessoas concordassem comigo, acharia ótimo. Só que isso não acontece e termino levando muita pedrada..” Ferreira Gullar

Conforme Gullar, antes do impressionismo os críticos conseguiam reconhecer de forma segura as produções artistas e classificá-las como arte ou não, porém, após esse período essa referencia foi perdida passando-se a aceitar todas as manifestações como arte, atualmente todas as novidades que surgem no mercado os críticos se sentem obrigados a aceitar como uma forma de culpa após o impressionismo, onde muitos críticos descartaram obras como de Monet “... Reflete a perda de referência a que já haviam chegado, nos anos sessenta, críticos e artistas, não apenas nos Estados Unidos, mas no mundo inteiro...”

“Esse fenômeno tem causas profundas, que vêm desde a ruptura da arte com o processo de representação, até as imposições do mercado de arte, que exige sempre novidades para manter ou ampliar as vendas.” “Assim, a condição de mercadoria que a obra de arte se submete, desde a instauração do regime capitalista, atinge-lhe a própria essência, tornando-a apenas uma mercadoria como as outras.” (Gullar, 1993 pg.22)

A novidade tornou-se mais importante do que a própria arte, ou seja, o mercado exige sempre novos produtos visando lucro e tornando a arte apenas como mercadoria substituível, e isso ocorrem

Relacionados

  • Resenha do livro: História Social da Arte e da literatura – HAUSER, Arnold (Capítulo 1)
    1475 palavras | 6 páginas
  • Resenha do livro psicodinâmica das cores- farina
    5118 palavras | 21 páginas
  • resenha critica do livro a arte do direito
    5678 palavras | 23 páginas
  • Resenha do livro Visoes da liberdade
    1223 palavras | 5 páginas
  • Resenha do Livro A Imagem da Cidade
    3725 palavras | 15 páginas
  • Resenha do livro freud criador da psicanálise
    1319 palavras | 6 páginas