Resumo do livro - o feitiço das organizações

1861 palavras 8 páginas
A motivação inicial da autora ao escrever o livro, foi descobrir, porque o momento da demissão causa tanto sentimento de impotência e de dor na pessoa, percebendo através da influencia de Enriquez, um teórico da Sociologia com referências psicanalíticas, que isso ocorre devido à presença significativa dos sistemas imaginários que permeiam as relações humanas dentro das organizações.
A pessoa, quando na empresa não tem apenas profissional, mas também emocional e afetiva, já que a fidelidade lhe faz com que não tenha outras perspectivas fora de lá. Seu lazer, cultura, devoção e sua agenda pessoal passam a pertencer à empresa com disponibilidade total e sua maior expectativa está em acreditar-se insubstituível para a corporação, preferindo a escravidão ao risco da independência.
A organização vive do que quer ser e o trabalhador pretende buscar o mesmo, vivendo ambos à imagem do modelo ideal. Assim, enquanto a organização busca sagrar o seu poder num mundo de tantas ameaças, o trabalhador busca status, reconhecimento social e afetivo de sua conquista profissional.
O sistema capitalista aumenta essa sensação ao nos mergulhar nessas contradições e nos alimentar ainda mais desse imaginário original, pois apenas o “pai-patrão” generoso ou a mãe (figura da empresa) pode nos proporcionar essa segurança e proteção.
A empresa é abstrata, construída por pessoas, e a eles traz inúmeras intenções e promessas que os alimenta, por isso, compreendemos que apesar de tantas decepções

Relacionados

  • O assistente social em rh: sua contribuição enquanto gestor
    9750 palavras | 39 páginas
  • O xangô de baker street
    7765 palavras | 32 páginas
  • Inclusão dos adolescentes no mercado de trabalho através da seleta de campo grande-ms
    8915 palavras | 36 páginas