Resumo do texto “filosofando: introdução à filosofia”

916 palavras 4 páginas
Por vezes chegamos a pensar que possuímos total conhecimento do nosso corpo, porém estamos enganados. Ao nos olharmos no espelho ou nos vermos filmados, nos admiramos ao ponto de não nos reconhecermos, isso se dá pelo fato de não possuirmos um conhecimento próprio.
Platão vem dizer que o ser humano é dividido em duas partes, o corpo e a alma, e que a alma antes de se agregar, vivia no mundo das ideias e que seu conhecimento provinha do intelecto direto e imediato, ao se agregar ao corpo a alma se torna sujeita ao mesmo. Platão divide a alma humana em duas partes: a superior e a inferior. A parte inferior se subdivide em duas partes, sendo elas a irascível que se localiza no peito e a concupiscível que é centrada no ventre e está voltada
…exibir mais conteúdo…
Com o avanço das ciências, essa idéia mecanicista toma outro rumo, e é substituído por outras concepções, porém permanecendo na idéia do corpo como submissão á natureza. A concepção materialista do corpo teve que ser reformulada pelo fato da dificuldade de ligação das partes do ser humano e isso impossibilitava o avanço das ciências
Baruch Espinosa no século XVII desenvolve a teoria do paralelismo onde derruba as concepções anteriores. A teoria de Espinosa vem mostrar que o corpo e o espírito possuem uma relação de correspondência entre eles, ou seja, o que se passa em um se exprime no outro, há uma unidade dos mesmos. Espinosa afirma que tanto o corpo quanto a alma podem ser ativos ou passivos.
A Fenomenologia vem tentar ultrapassar as outras concepções sobre o dualismo corpo-alma, objeto-pensamento, individuo-mundo. A fenomenologia diz que o corpo não é um objeto ou máquina, mas é um ser-no-mundo, um ser que possui acesso as coisas e a si mesmo, um ser que se estabelece a partir de seus conatos com o outro e se comunica através de gestos, atitudes, olhar, enfim pelas expressões corporais. Através dessa comunicação corporal podemos conhecer as individualidades do outro por meio da sua expressão facial, pois o corpo demonstra raiva, alegria, ansiedade, tristeza, amor, ou seja, o ser humano não é um objeto mas sim um ser que pensa e sente.
Com o corpo podemos fazer muitas coisas por meio

Relacionados

  • A interculturalidade ou imposição da cultura dominante
    3772 palavras | 16 páginas
  • Deformação da Arte Moderna
    3709 palavras | 15 páginas
  • Coesão e Coerência
    3038 palavras | 13 páginas
  • Filosofia Medieval
    7428 palavras | 30 páginas
  • O conceito de liberdade segundo a teoria existencialista de sartre
    10016 palavras | 41 páginas
  • Plano de curso: gestão em responsabilidade socio ambiental e sustentabilidade
    9115 palavras | 37 páginas
  • Burnout e a aviação civil brasileira - breve ensaio sob o foco da prevenção
    9751 palavras | 40 páginas
  • Tarsila do amaral como proposta de leitura e releitura de imagem
    14705 palavras | 59 páginas
  • A roda de conversas como possibilidade para desenvolver o pensamento crítico em crianças na educação infantil
    11815 palavras | 48 páginas