Resumo e resenha da obra de são bernardo de graciliano ramos

2470 palavras 10 páginas
Obra de Graciliano Ramos “ São Bernardo”, escrita em 1934.
Resumo da Obra: Narrada em primeira pessoa, por Paulo Honório, o protagonista da Historia. Conta ele, no decorrer da obra, que desde a sua infância trabalhou para seu próprio sustento no cabo de uma enxada. Não conta muito de seus pais, segundo ele pouco sabia. Abandonado pelo pai, criado por uma negra, a doceira Margarida. Quando adulto se envolveu em uma briga por causa de um namorico e esfaqueou um homem, chamado Fagundes, por tal crime foi preso, depois de liberado, emprestando dinheiro a juros, negociando no sertão, passando fome e sede, Paulo Honório acumula algum capital e com ele volta à sua terra, município de Viçosa, Alagoas. Aí ficava a fazenda São
…exibir mais conteúdo…

Para agravar ainda mais a situação este começa a nutrir profunda antipatia por Dona Glória. Madalena teve um menino. Completaram dois anos de casados. Daí por diante, Paulo começou a sentir ciúmes de sua esposa. Tinha certa desconfiança de todos os amigos. Observava o filho que nada tinha de parecido com ele, não lhe dava a mínima atenção e carinho. Ele só queria saber se sua esposa lhe era fiel. Se fosse, ele a faria a mulher mais feliz do mundo. A situação foi-se agravando. Paulo Honório desconfiava até do padre e dos caboclos. Estava quase louco. À noite, ouvia passos e assobios que acreditava serem sinais. Não dormia. Madalena, nas conversas, mantinha-se serena. Só dizia que caso morresse de repente queria que dessem seus vestidos à família do Mestre Caetano e a Rosa; e os seus livros ao seu Ribeiro, Padilha e Gondim. Um dia, já no limite da loucura, Paulo Honório encontra no pomar uma folha de papel com o rascunho do que julga ser uma carta de Madalena a algum homem. Enfurecido, a agride e pensa em matá-la. Na noite seguinte Madalena se suicida. e Paulo Honório encontra uma longa carta a ele dirigida na qual faltava uma folha: exatamente aquela que encontrara perdida no pomar. Com a sua morte Paulo Honório vai perdendo outras pessoas: Dona Glória, seu Ribeiro, o Padilha, Padre Silvestre e também a obsessão de produzir e ganhar dinheiro. O outro ano foi terrível. Tudo andava mal, mas Paulo parecia não se incomodar.

Relacionados