Resumos de poemas de mensagem

6012 palavras 25 páginas
Português
12º
Unidade temática – Fernando Pessoa ortónimo
Sumário: Leitura, análise e interpretação do poema “ Ulisses”.
Poema – Ulisses O mito é o nada que é tudo.O mesmo sol que abre os céusÉ um mito brilhante e mudo –O corpo morto de Deus,Vivo e desnudo.Este que aqui aportou,Foi por não ser existindo.Sem existir nos bastou.Por não ter vindo foi vindoE nos criou.Assim a lenda se escorreA entrar nas realidade,E a fecundá-la decorre.Em baixo, a vida, metadeDe nada, morre. | |
Trata-se de um poema da primeira parte – o Brasão – da Mensagem- colectânea de poemas de Fernando Pessoa, escrita entre 1913 e 1934, data da sua publicação. Dentro desta integra-se nos Castelos. Esta obra contém poesia de índole épico-lírica participando assim
…exibir mais conteúdo…

A presença do presente do indicativo justifica-se por estarmos diante da definição de mito, algo permanente.
Na segunda parte, correspondente à segunda estrofe, o assunto continua a ser concretizado, ou melhor particulariza-se o mito ao caso concreto de Ulisses, designado pelo deíctico “este”, reenviando-nos para o título. Alude-se neste momento à criação lendária de Lisboa, a Olissipo, por Ulisses. Mais do que o facto histórico concreto é a imaginação e o sonho que libertam energia criativa. Um povo define-se melhor pelos seus mitos do que pela sua História. Ulisses se bem que não tenha existido, foi elevado à condição de mito e foi através dele que se explicou a origem de Lisboa. Ulisses poderá assim representar a vocação marítima dos portugueses já que é do mar que chega este antepassado mítico dos portugueses. Concluindo, esta figura lendária foi suficiente para que o povo português se sentisse projectado para a grandeza que tem e poderá ainda ter. Ulisses foi o primeiro impulso para um povo que edificaria um império cuja cabeça seria Lisboa. O emprego constante dos oxímoros ou paradoxos “ foi por não ser ... existindo” e “sem existir ... nos bastou” e “ por não ter vindo .. foi vindo e nos criou” aparentemente contraditórias, na caracterização de Ulisses, exprimem o carácter contraditório do mito. O uso do pretérito perfeito nesta estrofe justifica-se pelo recuo a uma narração do

Relacionados

  • A Mensagem Análise do Poema "D. Sebastião Rei de Portugal"
    952 palavras | 4 páginas
  • Simbologia dos números em “mensagem” (fernando pessoa)
    1013 palavras | 5 páginas
  • zoologia
    2190 palavras | 9 páginas
  • curriculo de língua portuguesa
    2882 palavras | 12 páginas
  • Análise do episódio do Adamastor
    1968 palavras | 8 páginas
  • A história da farmácia no brasil
    17102 palavras | 69 páginas
  • Análise do poema "Liberdade" - Fernando Pessoa
    2362 palavras | 10 páginas
  • Producção textual(poesia,prosa e verso)
    2056 palavras | 9 páginas
  • TRABALHO EM GRUPO – TG TEXTO “REINVENÇÃO” DE CECÍLIA MEIRELES
    904 palavras | 4 páginas
  • Trabalho de português - antologia poética
    6674 palavras | 27 páginas