Stuart mill

3102 palavras 13 páginas
Introdução John Stuart Mill (1806 – 1873), filósofo e economista, foi o último autor clássico e que deu origem, através de suas obras, a teoria marginalista. Por isso ele é considerado um autor de transição.
Stuart Mill disse ser discípulo de David Ricardo, que foi fortemente estimulado por James Mill. Stuart Mill, embora tenha concordado inicialmente com a teoria Ricardiana de renda e valor-trabalho, reformulou esta teoria recusando-se expressar o trabalho como base exclusiva de valor, pois para Mill a troca não poderia ser feia baseada apenas na mão-de-obra empregada em determinada mercadoria.
Mill também disse ser discípulo de Jeremy Bentham, que participou diretamente de sua educação com seu pai, James Mill. Mas apesar Mill
…exibir mais conteúdo…
Incluindo aqui o trabalho que resulte em produtos materiais e habilidades adquiridas por seres humanos que possa ser utilizada como meio para adquirir riqueza em um sentido natural.
Trabalho improdutivo: é o que não termina na criação de riqueza material.
É todo trabalho que termina no prazer imediato, sem qualquer aumento do estoque acumulado de meios permanentes de entretenimento. Ou seja, aquele que não fornece um aumento de produtos materiais.
Exemplo: o trabalho de salvar a vida de um amigo não é produtivo, a menos que o amigo seja um trabalhador produtivo e produza mais do que consome.
Conclui-se que no primeiro livro, Mill dá ênfase a três elementos:
Riqueza: como coisas úteis que possuem valor de troca, incluindo apenas os objetos materiais que podem ser acumulados.
Trabalho produtivo: porque produz riqueza material direta ou indiretamente.
Capital: que resulta da poupança de produtos acumulados de trabalhos materiais, requisito sem o qual não há possibilidade de operações produtivas que vá além das fases iniciais, pobres e insuficientes da atividade primitiva.
Mill considerava o trabalho produtivo como o que produzia riqueza, a qual deveria ser suscetível a acumulação. Podemos ver isso quando ele escreve que “não há uma violação tão clara e positiva do uso comum em considerar riqueza qualquer produto que seja útil e ao mesmo tempo suscetível de ser acumulado” (Ibid., p.102) .

Relacionados

  • John stuart mill - economista
    6275 palavras | 26 páginas
  • Filosofia - stuart mill e john locke
    1409 palavras | 6 páginas
  • Immanuel Kant e John Stuart Mill
    855 palavras | 4 páginas
  • Resumo da Introdução da obra Ensaio sobre a Liberdade de John Stuart Mill
    1199 palavras | 5 páginas
  • ESCOLA CLASSICA
    2976 palavras | 12 páginas
  • História da Psicologia
    1493 palavras | 7 páginas
  • Economia e sua Estrutura
    1105 palavras | 5 páginas
  • Filosofia - ética de kant e de mill
    2544 palavras | 11 páginas
  • as influencias filosoficas na psicologia
    1459 palavras | 6 páginas
  • Abordagem Utilitarista
    2025 palavras | 9 páginas