Teologia

651 palavras 3 páginas
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS
DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E TEOLOGIA
TEOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS APLICADAS
Profª Joana D’arc de Souza

TRABALHO E LASER

GOIÂNIA
2014
Questionário
1- Aristóteles propõe “investigar se existe, ou não, alguém que seja assim por natureza, e se é conveniente justo pra alguém ser um escravo ou se, ao contrário, toda escravidão é antinatural”. Qual a conclusão de Aristóteles a respeito da questão que ele próprio se propôs?
Aristóteles descreveu uma situação de fato, aqui parece fornecer uma definição do que é um “escravo por natureza”. Mas é evidente o caráter tautológico do raciocínio: é escravo por natureza quem pertence a um outro e pertence a um outro que é objeto de propriedade e instrumento de ação, isso é o escravo. Num sentido rigoroso, esta é a definição do “estatuto jurídico” do escravo por lei e não do “estatuto ontológico” de um escravo por natureza. Não explica, com efeito, porque o escravo pertence “por natureza” a um outro. Que se trate de uma descrição e não de uma definição e menos ainda de uma demonstração, se percebe logo na continuação do discurso que investiga a existência e a justiça da escravidão natural. Aristóteles reconhece que ainda não produziu uma demonstração da existência do escravo por natureza.
2- Os textos de Aristóteles e de Marx estão

Relacionados

  • teologia
    1457 palavras | 6 páginas
  • Provão Teologia
    2382 palavras | 10 páginas
  • Teologia
    3473 palavras | 14 páginas
  • Teologia
    13486 palavras | 54 páginas
  • teologia
    2062 palavras | 9 páginas
  • Teologia
    6137 palavras | 25 páginas
  • Teologia urbana
    13134 palavras | 53 páginas
  • Teologia
    4083 palavras | 17 páginas
  • teologia
    1804 palavras | 8 páginas
  • Resumo - teologia
    1240 palavras | 5 páginas