setembro negro sadia

8219 palavras 33 páginas
O setembro negro da Sadia – Revista Pauí
“Essa empresa existe para vender frango, vender peru e fazer salsicha”, disse o fundador Attilio Fontana. “Se é para fazer diferente, é melhor abrir um banco” por Consuelo Dieguez
Walter Fontana Filho sentou-se próximo ao avô, Attilio Fontana, que ocupava a cabeceira da comprida mesa de vidro da sala de reuniões do conselho de administração da Sadia, em São Paulo. Empresa com ações na Bolsa, a Sadia vinha perdendo capital, naquele ano de 1983, com as tempestuosas oscilações de mercado. Para evitar que os controladores da empresa saíssem perdendo, o conselho decidira meses antes recomprar boa parte dos papéis da companhia e transferi-los para a Fundação Attilio Fontana, o fundo de pensão dos funcionários. A recompra ficara a cargo do diretor de administração, Osório Furlan, genro do patriarca Attilio Fontana.

Walter Fontana, ou Waltinho, como era chamado pela família, fizera na surdina um levantamento da compra e da venda de ações da Sadia nos últimos tempos. O resultado da enquete era o trunfo que exibiria naquela manhã aos parentes com assento no conselho da empresa. Expondo uma seqüência de gráficos, ele demonstrou que sim, Osório Furlan havia realmente comprado papéis da Sadia. Mas, em vez de repassá-los para a fundação, anexara uma parte substanciosa deles ao seu portfólio.

Sem que ninguém no clã soubesse, Osório ultrapassara o teto de 10% das ações que cabiam individualmente a cada sócio controlador. Abocanhara 14% das

Relacionados

  • Fusão sadia x perdigão
    1083 palavras | 5 páginas
  • Licor negro
    3554 palavras | 15 páginas
  • Anjo Negro
    1298 palavras | 6 páginas
  • Irmão negro
    1642 palavras | 7 páginas
  • Governança Corporativa - Caso Sadia
    689 palavras | 3 páginas
  • 11 de setembro
    1639 palavras | 7 páginas
  • Negros no esporte
    3086 palavras | 13 páginas
  • 11 De setembro
    2031 palavras | 9 páginas
  • Estudo de Caso Sadia
    1057 palavras | 5 páginas