vida e obra de Mendes de carvalho

2581 palavras 11 páginas
Introduçao
.

Agostinho André Mendes de Carvalho nasceu a 29 de Agosto de 1924, em Calomboloca, município de Icolo e Bengo, província de Luanda. Em 1959 foi preso pela polícia política portuguesa PIDE e enviado para o campo de concentração de Tarrafal, em Cabo Verde, onde permaneceu entre 1962 e 1970, e onde começou a escrever. Depois da independência de Angola, em 1975, foi eleito membro do Comité Central do MPLA, Governador de Luanda, ministro da Saúde, embaixador de Angola na ex-República Democrática Alemã e deputado à Assembleia Nacional. Na sua obra, que críticos literários consideram integrar uma "forte componente de crítica política e social", destacam-se dois títulos, 'O Ministro' (1989) e 'Cultos Especiais' (1997), que se assumem como "uma sátira ao culto da personalidade e ao comportamento dos políticos". Escritor prestigiado em Angola e no estrangeiro, as suas obras encontram-se traduzidas em várias línguas. Uma das últimas intervenções sociais foi a assinatura de uma carta aberta dirigida em março de 2012 ao Presidente angolano José Eduardo dos Santos, juntamente com outros escritores e políticos, em que expressava a sua "preocupação e indignação" pela repressão policial sobre manifestantes antigovernamentais. Acompanharam-no nessa carta aberta o também escritor e Prémio Camões em 1997 - Pepetela, e o ex-Primeiro-ministro e ex-secretário-geral do MPLA - Marcolino Moco.

Agostinho André Mendes de Carvalho - Uanhenga Xitu

Relacionados

  • A LINGUAGEM LITERÁRIA DA MODERNIDADE
    5544 palavras | 23 páginas
  • Arquitetura moderna - paulo mendes da rocha
    5057 palavras | 21 páginas
  • Modernistas
    3107 palavras | 13 páginas
  • Saude do trabalhador
    3979 palavras | 16 páginas
  • Poemas de autores modernistas
    1409 palavras | 6 páginas
  • Arte construtivista
    6500 palavras | 26 páginas
  • Construção poética bidimensional
    5003 palavras | 21 páginas
  • CARVALHO, José Murilo de. Cap. 4 – “Cidadãos ativos: a revolta da vacina”. In: Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987
    1411 palavras | 6 páginas
  • antologia da modernidade
    2652 palavras | 11 páginas