Relações étnico-culturais: questões sociais; preconceito e direitos.

4475 palavras 18 páginas
Relações étnico-culturais: questões sociais; preconceito e direitos.

Bibliografia básica:

Relações étnico-culturais. “Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana.” Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. MEC, Brasília: 2004. Texto disponível eletronicamente no endereço, http://www.espacoacademico.com.br/040/40pc_diretriz.htm

Textos complementares:

LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia, SP: Brasiliense. 1995. Especialmente os capítulos de 1 a 5 da Primeira Parte, “Marcos para uma história do pensamento antropológico”, nas páginas 37-94.

- Sobre a formação étnico-racial
…exibir mais conteúdo…
O fato de apenas os povos europeus até aquele momento, e uma das ex-colônias (Estados Unidos da América) terem desenvolvido o pensamento científico, era o fundamento que sustentava todo esse esquema que colocava a diversidade cultural dentro de uma escala classificatória que identificava cada povo como representante de um “momento evolutivo” diferente.

Esse pensamento deu margem para que a sociedade européia primeiro, e depois sua extensão americana se sentisse a vontade para julgar, por exemplo, os povos indígenas do Brasil como “preguiçosos”, ou outros povos como “atrasados” em sua mentalidade geral.

Quanto mais afastado do modo de vida europeu, e do tipo de suas instituições organizadoras da vida social (o tipo de Estado, exército, família e parentesco, escolas, sistema de leis, etc.) mais primitivos eram considerados.

Assim, a teoria do evolucionismo social foi criada e reproduzida pelo mesmo povo que detinha o poder dominador sobre os outros, e esse domínio econômico e militar passou a contar com uma justificativa científica, que afirmava sua superioridade cultural e histórica. A esse tipo de prática chamamos “eurocentrismo”, pois naquela época o poder influenciou a produção de conhecimento, sendo muito “cômodo” criar uma teoria onde seu próprio povo era considerado centro do mundo, de qualquer perspectiva que se abordasse a questão.

A mudança histórica – relativismo

Relacionados

  • Diversidade cultural e discriminação racial
    9939 palavras | 40 páginas
  • Colaço, thais luzia. elementos de antropologia jurídica
    2248 palavras | 9 páginas
  • Oficina de relações étnico raciais
    9975 palavras | 40 páginas
  • Identidade e curriculo escolar
    2535 palavras | 11 páginas
  • Discriminação racial e suas formas
    4933 palavras | 20 páginas
  • As Relações etnicos raciais para a construção de uma sociedade justa, igual, e equanime
    1433 palavras | 6 páginas
  • Educação para as relações étnico raciais
    2223 palavras | 9 páginas
  • DESIGUALDADES DE RAÇA E ETNIA
    3012 palavras | 13 páginas
  • Historia afro brasileira
    10356 palavras | 42 páginas
  • A importância de valores :ética, alteridade e respeito
    989 palavras | 4 páginas